quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

“Ai de mim, se eu não evangelizar!”

Esta frase provém de 1 Cor 9, 16 (primeira epístola do apóstolo Paulo aos Coríntios, capítulo nove, versículo dezasseis), que diz:

Porque, se eu anuncio o Evangelho, não é para mim motivo de glória, é antes uma obrigação que me foi imposta: ai de mim, se eu não evangelizar! 1Cor 9, 16

Meditando no texto, torna-se evidente que a mensagem presente neste excerto é um forte incentivo a evangelizar. “Ai de mim, se eu não evangelizar!”. Frase forte, mas bastante simbólica. Recordemos as condições de Paulo. Quando escreveu a primeira carta aos Coríntios, encontrava-se em Éfeso, durante a terceira viagem missionária, para remediar os abusos e responder a questões que lhe foram postas por escrito (1 Cor 7, 1 – “Mas a respeito do que me escrevestes…”). Paulo, anteriormente chamado Saulo, tinha sido um “Anti-Cristão”. Deus manifestou-se e fez maravilhas nele. Converteu-o e Paulo tornou-se num grande evangelizador. Num dos maiores que houve. Podemos dizer que o “predador virou presa”. Não admira, portanto, que esteja presente no versículo em estudo, o forte e evidente incentivo à evangelização, tomando-a como uma obrigação (verdadeira e válida até nos dias de hoje!) de todo o Cristão. Visto ser uma obrigação, afirma que não nos devemos vangloriar (“…não é para mim motivo de glória…”) com o ato de evangelização, pois trata-se de algo que nos é imposto. Lembremo-nos do grande valor que representa um pecador convertido, aos olhos do Senhor. De várias formas podemos evangelizar. Fica ao critério e criatividade de cada um, mas temos de evangelizar. Todos no mundo têm de saber que Deus é o Senhor e Rei do mundo! Ide e evangelizai, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, ámen. Louvado seja Deus para sempre! Para sempre seja louvado e adorado o nosso Deus. Ámen!

S. Paulo, apóstolo evangelista.

0 comentários:

Enviar um comentário

Sinta-se livre para comentar este artigo. Convido-o(a) a expressar a sua opinião com clareza e cordialidade.